Últimas Notícias

Você está aqui: Capa / Notas oficiais

Arquivo da categoria: Notas oficiais

Assinatura dos Feeds

Bispos do Regional Nordeste 3 emitem nota sobre o momento nacional

Nesta quarta-feira (15), os bispos do Regional Nordeste 3, formado pelas Arquidioceses e Dioceses da Bahia e de Sergipe, aprovaram por unanimidade uma nota oficial sobre a situação atual do país. Os bispos, que estiveram reunidos em Assembleia do Conselho Episcopal Regional (CONSER), de 13 a 15 de março, afirmam no texto que as diversas reformas para aprimorar o Estado Brasileiro “não devem violar direitos adquiridos e os deveres em relação ao bem comum”.

Leia o texto na íntegra:

 

CNBB Regional NE3NOTA DOS BISPOS DA BAHIA E SERGIPE

SOBRE O MOMENTO NACIONAL

“Não nos deixamos abater” (2 Cor 4,16).

Nós, bispos da Bahia e Sergipe, Regional Nordeste 3 (NE 3) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), reunidos em Assembleia, de 13 a 15 de março de 2017, em Salvador, refletimos e rezamos sobre o momento nacional.

Na convivência de pastores com o nosso povo, percebemos a sua imensa angústia e apreensão diante do que está acontecendo no país: caos na saúde, milhões de desempregados, violência, criminalização dos movimentos sociais, corrupção em vários segmentos, pessoas de duvidosa reputação em postos de comando. Para culminar, as propostas de reformas do Governo Federal, especialmente a previdenciária, ameaçam os direitos sociais adquiridos pela Constituição Cidadã de 1988, penalizando, sobretudo, os mais pobres e vulneráveis.

Compreendemos a necessidade de diversas reformas para aprimorar o Estado Brasileiro, entretanto elas não devem violar direitos adquiridos e os deveres em relação ao bem comum. Conscientes de que somos chamados a ouvir os clamores dos mais necessitados, manifestamos nosso apoio e solidariedade ao povo, às suas organizações e a todas as entidades que lutam em defesa dos mais pobres.

Exortamos os parlamentares a serem sensíveis aos clamores do povo brasileiro. “Ninguém pode se sentir exonerado da preocupação pelos pobres e pela justiça social” (Papa Francisco, Evangelii Gaudium, 202). Conclamamos nossas comunidades cristãs que se unam e não se deixem abater.

Na comemoração dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, confiantes em sua materna intercessão, pedimos que ela alimente nossos sonhos e sustente nossa esperança.

Salvador (BA), 15 de março de 2017.

 

Em nome dos bispos do Regional Nordeste 3 da CNBB

Dom João Carlos Petrini

Presidente do NE3 da CNBB

Dom João José Costa

Vice-presidente do NE3 da CNBB

Dom Gilson Andrade da Silva

Secretário do NE3 da CNBB

Nota do Arcebispo de Salvador, Dom Murilo Krieger, sobre a morte de Dom Paulo Evaristo Arns

Dom Paulo Evaristo Arns nos deixa

 

A Arquidiocese de São Salvador da Bahia participa da dor e da ação de graças da Igreja e do povo brasileiro neste momento em que todos voltam o seu olhar para o Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns.
A dor, por perdermos alguém que conviveu longamente conosco, deixando por onde passou as marcas de sua cultura, de sua grande visão e de sua profunda espiritualidade. Dom Paulo foi sempre muito preocupado com os problemas sociais do Brasil e teve uma atuação marcante num momento muito difícil de nossa Pátria. Ele foi uma voz corajosa em defesa dos pobres, dos direitos humanos e da democracia.
De ação de graças: sentimos o dever de elevar ao SENHOR nossos agradecimentos por termos podido contar, e ao longo de várias décadas, com a presença de uma pessoa tão carismática, que tantas sementes de amor semeou no coração de nosso povo.
Deus o recompense!
Muito obrigado por tudo, Dom Paulo!

Dom Murilo S.R. Krieger, scj
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Primaz do Brasil

Fiéis poderão receber Indulgência Plenária durante Ano Nacional Mariano

Até o dia 12 de outubro de 2017, a Igreja do Brasil celebra o Ano Nacional Mariano, proclamado em virtude dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil.

Diante disso, a Penitenciária Apostólica, a pedido do Papa Francisco, “concede um Ano Mariano com a Indulgência plenária anexa a ser alcançada sob as condições habituais (confissão sacramental, comunhão eucarística e Oração na intenção do Sumo Pontífice) aos fiéis verdadeiramente penitentes e impulsionados pela caridade, se em forma de peregrinação visitarem a Basílica de Aparecida ou qualquer igreja paroquial do Brasil, dedicada a Nossa Senhora ‘Aparecida’, e aí devotamente participarem das celebrações jubilares ou de promoções espirituais ou ao menos, por um conveniente espaço de tempo, elevarem humildes preces a Deus por Maria, a serem concluídas pela Oração Dominical, pelo Símbolo da Fé e pelas invocações da Beata Maria Virgem, em favor da fidelidade do Brasil à vocação cristã, impetrando vocações sacerdotais e religiosas e em favor da defesa da família humana”.

Confira a íntegra do texto enviado pela Penitenciária Apostólica:

 

PENITENCIÁRIA APOSTÓLICA

Prot. Nº 1015/16/1

BEATÍSSIMO PADRE,

Raymundo S.R.E. Presbítero Cardeal Damasceno Assis, Arcebispo Metropolitano de Aparecida, de coração manifesta um sentimento de veneração para com Tua Santidade, e com confiança expõe que no próximo ano será celebrado o tricentésimo aniversário (do fato) a partir do qual começou a ser atribuído um fervoroso culto à sagrada imagem da Beatíssima Maria Virgem, invocada sob o título de “Nossa Senhora da Conceição Aparecida”, a que na verdade responde a materna intervenção da mesma Virgem Maria em favor dos fiéis que confiantes a invocam. Para que, porém, cresça o piedoso afeto para com a “Virgem Aparecida” e assim se tornem mais fortes nos veneradores d’Ela a Fé, a Esperança e a Caridade, e eles próprios, refeitos pelos sacramentos, sejam mais e mais estimulados a conformarem a vida ao Evangelho, desde o dia 12 do mês de Outubro do ano de 2016 até o dia 12 de Outubro de 2017 realizar-se-ão várias celebrações sagradas e peregrinações em honra da celeste Padroeira do Brasil não só na Basílica Nacional Santuário de Aparecida, mas também, em todas as igrejas paroquiais dedicadas em honra d’Ela. Este desejado incremento da religião sem dúvida será alcançado mais facilmente se Tua Santidade benignamente conceder o dom da Indulgência, em favor do qual o Emmo. Suplicante com todo esforço suplica juntamente com os coirmãos Bispos e todos os fiéis brasileiros. E Deus etc.

Dia 14 de Novembro de 2016

A PENITENCIARIA APOSTÓLICA, a mando do Ssmo. Padre Francisco, de boa vontade confirma o (Ano) Jubilar no Brasil e concede um Ano Mariano com a Indulgência plenária anexa a ser alcançada sob as condições habituais (confissão sacramental, comunhão eucarística e Oração na intenção do Sumo Pontífice) aos fiéis verdadeiramente penitentes e impulsionados pela caridade, se em forma de peregrinação visitarem a Basílica de Aparecida ou qualquer igreja paroquial do Brasil, dedicada a Nossa Senhora “Aparecida”, e aí devotamente participarem das celebrações jubilares ou de promoções espirituais ou ao menos, por um conveniente espaço de tempo, elevarem humildes preces a Deus por Maria, a serem concluídas pela Oração Dominical, pelo Símbolo da Fé e pelas invocações da Beata Maria Virgem, em favor da fidelidade do Brasil à vocação cristã, impetrando vocações sacerdotais e religiosas e em favor da defesa da família humana.

Os devotos fiéis, impedidos pela velhice ou por grave doença, poderão igualmente alcançar a indulgência plenária se, assumida a rejeição de todo pecado, e com a intenção de cumprir onde em primeiro lugar for possível as três costumeiras condições, espiritualmente se dedicarem diante de alguma pequena imagem da Virgem “Aparecida”, a funções ou peregrinações jubilares, ofertando suas preces e dores ao Deus misericordioso por Maria.

Portanto, para que o acesso torne-se mais fácil em vista da caridade pastoral de alcançar o divino perdão através das chaves da Igreja, essa Penitenciária firmemente pede que os sacerdotes, aos quais está confiado o cuidado pastoral da Basílica, e também os párocos das supracitadas paróquias sob o título de “Virgem Aparecida”, com ânimo pronto e generoso se ofereçam para a celebração da Penitência e muitas vezes administrem a Sagrada Comunhão aos Enfermos.

Que a presente (disposição) tenha validade para o inteiro Ano Mariano no Brasil.

Revogam-se as disposições em contrário.

 

Mauro Card. Piacenza

Penitenciário Maior

 

CNBB emite nota contra o aborto diante da decisão do STF

Nesta quinta-feira, 01 de dezembro, a presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) apresenta nota oficial na qual reafirma a posição da Igreja de “defesa da integralidade, inviolabilidade e dignidade da vida humana, desde a sua concepção até a morte natural”.

Os bispos reafirmam também “incondicional posição em defesa da vida humana, condenando toda e qualquer tentativa de liberação e descriminalização da prática do aborto. Conclamamos nossas comunidades a rezarem e a se manifestarem publicamente em defesa da vida humana, desde a sua concepção”.

 

Leia a nota na íntegra.

 

NOTA DA CNBB EM DEFESA DA VIDA

“Propus a vida e a morte; escolhe, pois, a vida ” (cf. Dt. 30,19)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, por meio de sua Presidência, manifesta sua posição em defesa da integralidade, inviolabilidade e dignidade da vida humana, desde a sua concepção até a morte natural (cf. Constituição Federal, art. 1°, III; 3°, IV e 5°, caput).

A CNBB respeita e defende a autonomia dos Poderes da República. Reconhece a importância fundamental que o Supremo Tribunal Federal (STF) desempenha na guarda da Constituição da República, particularmente no momento difícil que atravessa a nação brasileira. Discorda, contudo, da forma com que o aborto foi tratado num julgamento de Habeas Corpus, no STF.

Reafirmamos nossa incondicional posição em defesa da vida humana, condenando toda e qualquer tentativa de liberação e descriminalização da prática do aborto.

Conclamamos nossas comunidades a rezarem e a se manifestarem publicamente em defesa da vida humana, desde a sua concepção.

Nossa Senhora, Mãe de Jesus e nossa Mãe, interceda por nós, particularmente pelos nascituros.

Brasília, 1º de dezembro de 2016

Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília-DF
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. R. Krieger
Arcebispo de São Salvador-BA
Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília-DF
Secretário-Geral da CNBB

 

Por: CNBB

CNBB manifesta veemente repúdio à anistia do “Caixa dois”

Nesta terça-feira, 29 de novembro, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou Nota Oficial manifestando repúdio à anistia do “caixa dois”. Os bispos afirmam que “vivemos uma profunda desconfiança institucional no país, particularmente com relação aos Poderes da República. Notícias de que estaria sendo gestado, na Câmara Federal, um acordo para anistiar o crime de ´caixa dois´ foram recebidas com indignação pelo povo brasileiro”.

Os bispos dizem esperar que “os membros do Congresso Nacional não apoiem tamanha afronta à dignidade do país. Seria inaceitável, para um parlamento que preza pela honestidade e respeita o mandato recebido, aprovar tal projeto”. E, finalizam a Nota, recordando que também é urgente “uma séria Reforma Política que não seja simplesmente pontual, mas ampla e debatida com toda a sociedade”.

 

Leia a Nota, na íntegra:

 

NOTA DE REPÚDIO À ANISTIA DO “CAIXA DOIS”

 

“…nada acontece em segredo que não venha a se tornar público” (Mc 4,22)

 

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, através de sua Presidência, manifesta veemente repúdio a qualquer iniciativa que vise anistiar o crime de “caixa dois”, ou mesmo, abrandar suas penalidades.

Vivemos uma profunda desconfiança institucional no país, particularmente com relação aos Poderes da República. Notícias de que estaria sendo gestado, na Câmara Federal, um acordo para anistiar o crime de “caixa dois” foram recebidas com indignação pelo povo brasileiro. A reação da população é sinal de que a mesma vem acompanhando com mais atenção a vida política.

A CNBB sempre participou, com outras instituições democráticas, do esforço por valorizar a consciência política. Prova disso é a coleta de assinaturas em apoio aos projetos de iniciativa popular que resultaram na Lei 9840/1999, “Lei contra a compra de votos”, e na Lei Complementar 135/2010, “Lei da Ficha Limpa”. Mais recentemente, participou do movimento que pediu e conquistou a inconstitucionalidade do financiamento empresarial das campanhas eleitorais.

Fiel à História e ao compromisso evangélico, a CNBB não pode deixar de condenar, nesse momento, qualquer tentativa de legitimar a prática do denominado “caixa dois” que anistia aqueles que, nas campanhas, utilizaram quantias de origem ilícita ou não contabilizadas junto à Justiça Eleitoral. Essa prática macula as eleições e estimula a corrupção, corroborando para a confusão entre interesse público e particular.

Esperamos que os membros do Congresso Nacional não apoiem tamanha afronta à dignidade do país. Seria inaceitável, para um parlamento que preza pela honestidade e respeita o mandato recebido, aprovar tal projeto. Deixar-se guiar, nessa questão, unicamente pela ética ajudará na urgência de “reabilitar a política, que é uma das formas mais altas da caridade” (Papa Francisco). É oportuno, ainda, manifestar a convicção de que é urgente uma séria Reforma Política que não seja simplesmente pontual, mas ampla e debatida com toda a sociedade.

Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, continue intercedendo pelo povo brasileiro. Deus nos abençoe!

 

Brasília, 28 de novembro de 2016

 

Cardeal Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília-DF
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. R. Krieger
Arcebispo de São Salvador-BA
Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília-DF
Secretário-Geral da CNBB

 

CNBB divulga nota sobre reforma do Ensino Médio

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, por meio do Conselho Episcopal Pastoral (Consep), reunido na sede da entidade, em Brasília (DF), nos dias 22 e 23 de novembro, aprovou a nota sobre a chamada “Reforma do Ensino Médio”, apresentada pelo Governo Federal ao Congresso Nacional na forma de Medida Provisória. Para os bispos, são louváveis as iniciativas que busquem refletir, debater e aprimorar a realidade do ensino brasileiro, mas “assim como outras propostas recentes, também essa sofre os limites de uma busca apressada de solução”. A entidade acredita que “questão tão nobre quanto a Educação não pode se limitar à reforma do Ensino Médio. Antes, requer amplo debate com a sociedade organizada, particularmente com o mundo da educação. É a melhor forma de legitimação para medidas tão fundamentais”.

No texto, os bispos ressaltam que a educação deve formar integralmente o ser humano. “O foco das escolas não pode estar apenas em um saber tecnológico e instrumental”, afirmam na nota.

Leia na íntegra:

 

NOTA DA CNBB SOBRE A “REFORMA DO ENSINO MÉDIO” – MP 746/16

“A fim de que os estudantes tenham esperança!”
(Papa Francisco, 14 de março de 2015)

O Conselho Episcopal Pastoral (CONSEP), da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, reunido em Brasília-DF, nos dias 22 e 23 de novembro de 2016, manifesta inquietação face a Medida Provisória 746/16 que trata da reforma do Ensino Médio, em tramitação no Congresso Nacional.

Segundo o poder executivo, a MP 746/16 é uma proposta para a superação das reconhecidas fragilidades do Ensino Médio brasileiro. Sabe-se que o modelo atual, não prepara os estudantes para os desafios da contemporaneidade. Assim, são louváveis iniciativas que busquem refletir, debater e aprimorar essa realidade. 

Contudo, assim como outras propostas recentes, também essa sofre os limites de uma busca apressada de solução. Questão tão nobre quanto a Educação não pode se limitar à reforma do Ensino Médio. Antes, requer amplo debate com a sociedade organizada, particularmente com o mundo da educação. É a melhor forma de legitimação para medidas tão fundamentais. 

Toda a vez que um processo dessa grandeza ignora a sociedade civil como interlocutora, ele se desqualifica. É inadequado e abusivo que esse assunto seja tratado através de uma Medida Provisória.

A educação deve formar integralmente o ser humano. O foco das escolas não pode estar apenas em um saber tecnológico e instrumental. Há que se contemplar igualmente as dimensões ética, estética, religiosa, política e social. A escola é um dos ambientes educativos no qual se cresce e se aprende a viver. Ela não amplia apenas a dimensão intelectual, mas todas as dimensões do ser humano, na busca do sentido da vida. Afinal, que tipo de homem e de mulher essa Medida Provisória vislumbra?

Em um contexto de crise ética como o atual, é um contrassenso propor uma medida que intenta preparar para o mercado e não para a cidadania. Dizer que disciplinas como filosofia, sociologia, educação física, artes e música são opcionais na formação do ser humano é apostar em um modelo formativo tecnicista que favorece a lógica do mercado e não o desenvolvimento integral da pessoa e da sociedade.

Quando a sociedade não é ouvida ela se faz ouvir. No caso da MP 746/16, os estudantes reclamaram seu protagonismo. Os professores, já penalizados por baixos salários, também foram ignorados. Estes são sinais claros da surdez social das instâncias competentes. 

Conclamamos a sociedade, particularmente os estudantes e suas famílias, a não se deixar vencer pelo clima de apatia e resignação. É fundamental a participação popular pacífica na busca de soluções, sempre respeitando a pessoa e o patrimônio público. A falta de criticidade com relação a essa questão trará sérias consequências para a vida democrática da sociedade.

Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, interceda por nós.

Brasília, 23 de novembro de 2016.

 

 

Dom Murilo S. R. Krieger, SCJ
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Presidente em Exercicio da CNBB

Dom Guilherme A. Werlang, MSF
Bispo de Ipamerí
Comissão Episcopal para o Serviço da Caridade da Justiça e da Paz

Dom Leonardo Ulrich Steiner, OFM
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB

 

 

Fonte: CNBB

Comunicado a respeito dos funerais do padre Ligivaldo Conceição dos Santos

Brasao da Arquidiocese de Sao Salvador da Bahia (com luz e sombra) (1)

Arquidiocese de São Salvador da Bahia

COMUNICADO A RESPEITO DOS FUNERAIS DO

PADRE LIGIVALDO CONCEIÇÃO DOS SANTOS

 

 

A Arquidiocese de São Salvador da Bahia comunica que:

O velório do corpo do Padre LIgivaldo Conceição dos Santos será na Matriz da Paróquia Senhor da Paz – Barros Reis – Salvador; terá início às 20h desta quinta-feira (10 de novembro de 2016).

Às 21h desta quinta-feira, nesta Matriz, será celebrada uma santa Missa, presidida por Dom Murilo S.R. Krieger, Arcebispo Metropolitano.

– Em seguida, o corpo será levado para a Comunidade de Pirajuía – Município de Jaguaripe, onde moram os parentes de Padre Ligivaldo. Ali, será velado.

– Às 08h30min do dia 11 de novembro (sexta-feira), em Pirajuía, será celebrada uma santa Missa, presidida, também, pelo Arcebispo Metropolitano.

– Em seguida, será feito o sepultamento.

Conforta-nos, neste momento, a certeza: “Ó Pai, para os que creem em vós, a vida não é tirada, mas transformada, e desfeito o nosso corpo mortal, nos é dado, nos céus, um corpo imperecível” (Prefácio dos Mortos – I).

 

Salvador, 10 de novembro de 2016.

 

Dom Murilo S.R. Krieger, scj

Arcebispo de São Salvador da Bahia

Primaz do Brasil

Nota de falecimento: padre Ligivaldo Conceição dos Santos

Brasao da Arquidiocese de Sao Salvador da Bahia (com luz e sombra) (1) - menor

Arquidiocese de São Salvador da Bahia

 

Nota de Falecimento

Padre LIGIVALDO CONCEIÇÃO DOS SANTOS

 

“Marta disse a Jesus:

´Senhor, se estivesses aqui, meu irmão não estaria morto!

E, no entanto, eu sei, tudo o que pedires a Deus, Deus te concederá´.

Jesus lhe disse: ´Teu irmão ressuscitará!´

Marta lhe disse:

´Eu sei que ele ressuscitará na ressurreição, no último dia´.

Jesus lhe disse:

´Eu sou a ressurreição e a vida.

Aquele que crê em mim, mesmo se houver morrido, viverá.

E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá para sempre.´”

 (Evangelho segundo S. João 11, 21-27).

 

 

            É com profundo pesar que a Arquidiocese de São Salvador da Bahia comunica o falecimento do Revmo. Sr. PADRE LIGIVALDO CONCEIÇÃO DOS SANTOS, membro do clero desta Arquidiocese.

Padre Ligivaldo nasceu em 14 de agosto de 1979 e foi ordenado sacerdote em 21 de março de 2009. Até o presente, era Vigário Paroquial da Paróquia Senhor da Paz – Barros Reis – Salvador.

Manifestamos a seus parentes e paroquianos nossa unidade neste momento de dor. Em nome de todos os sacerdotes arquidiocesanos, agradecemos as manifestações de carinho daqueles que choram a sua partida. Pedimos que todos se unam às nossas orações pelo descanso eterno deste irmão sacerdote.

Tão logo seja possível, divulgaremos o dia, o horário e o local de seu sepultamento.

Salvador, 10 de novembro de 2016.

 

Dom Murilo S.R. Krieger, scj

Arcebispo de São Salvador da Bahia

Primaz do Brasil

CNBB divulga nota sobre posicionamento à respeito da PEC 241

O Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), divulgou nesta quinta-feira (27) a nota sobre o posicionamento da entidade sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016, de autoria do Poder Executivo, que está em tramitação no Senado Federal.

Confira o texto na íntegra, ou clique aqui para baixar a versão em PDF:

NOTA DA CNBB SOBRE A PEC 241

“Não fazer os pobres participar dos próprios bens é roubá-los e tirar-lhes a vida” (São João Crisóstomo, século IV).

O Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, reunido em Brasília-DF, dos dias 25 a 27 de outubro de 2016, manifesta sua posição a respeito da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016, de autoria do Poder Executivo que, após ter sido aprovada na Câmara Federal, segue para tramitação no Senado Federal.

Apresentada como fórmula para alcançar o equilíbrio dos gastos públicos, a PEC 241 limita, a partir de 2017, as despesas primárias do Estado – educação, saúde, infraestrutura, segurança, funcionalismo e outros – criando um teto para essas mesmas despesas, a ser aplicado nos próximos vinte anos. Significa, na prática, que nenhum aumento real de investimento nas áreas primárias poderá ser feito durante duas décadas. No entanto, ela não menciona nenhum teto para despesas financeiras, como, por exemplo, o pagamento dos juros da dívida pública. Por que esse tratamento diferenciado?

A PEC 241 é injusta e seletiva. Ela elege, para pagar a conta do descontrole dos gastos, os trabalhadores e os pobres, ou seja, aqueles que mais precisam do Estado para que seus direitos constitucionais sejam garantidos. Além disso, beneficia os detentores do capital financeiro, quando não coloca teto para o pagamento de juros, não taxa grandes fortunas e não propõe auditar a dívida pública.

A PEC 241 supervaloriza o mercado em detrimento do Estado. “O dinheiro deve servir e não governar!” (Evangelii Gaudium, 58). Diante do risco de uma idolatria do mercado, a Doutrina Social da Igreja ressalta o limite e a incapacidade do mesmo em satisfazer as necessidades humanas que, por sua natureza, não são e não podem ser simples mercadorias (cf. Compêncio da Doutrina Social da Igreja, 349).

A PEC 241 afronta a Constituição Cidadã de 1988. Ao tratar dos artigos 198 e 212, que garantem um limite mínimo de investimento nas áreas de saúde e educação, ela desconsidera a ordem constitucional. A partir de 2018, o montante assegurado para estas áreas terá um novo critério de correção que será a inflação e não mais a receita corrente líquida, como prescreve a Constituição Federal.

É possível reverter o caminho de aprovação dessa PEC, que precisa ser debatida de forma ampla e democrática. A mobilização popular e a sociedade civil organizada são fundamentais para superação da crise econômica e política. Pesa, neste momento, sobre o Senado Federal, a responsabilidade de dialogar amplamente com a sociedade a respeito das conseqüências da PEC 241.

A CNBB continuará acompanhando esse processo, colocando-se à disposição para a busca de uma solução que garanta o direito de todos e não onere os mais pobres.

Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, continue intercedendo pelo povo brasileiro. Deus nos abençoe!

 

Dom Sergio da Rocha

Arcebispo de Brasília

Presidente da CNBB

 

Dom Murilo S. R. Krieger, SCL

Arcebispo de São Salvador da Bahia

Vice-presidente da CNBB

 

Dom Leonardo Ulrich Steiner, OFM

Bispo auxiliar de Brasília

Secretário-geral da CNBB

 

Nota de falecimento – Dra Sônia Maria Moreira de Sousa Bastos

Digital StillCamera

Dra Sônia Maria Moreira de Sousa Bastos

“Os que educarem a muitos para a justiça,

brilharão para sempre como estrelas”

(Daniel 12,3)

A Arquidiocese de São Salvador da Bahia e o Conselho Deliberativo do Instituto Feminino da Bahia cumprem o doloroso dever de comunicar o falecimento da Dra. SÔNIA MARIA MOREIRA DE SOUSA BASTOS, Gerente Executiva desse Instituto.

Ao mesmo tempo em que pedem orações pelo descanso eterno desta mulher benemérita, convidam os amigos de Dra. Sônia e do Instituto Feminino para a missa que será celebrada hoje, às 14h, no Jardim da Saudade, presidida pelo Arcebispo Metropolitano. Após a missa será o sepultamento.

Salvador, 05 de outubro de 2016.

Dom Murilo S. R. Krieger, scj

Arcebispo de São Salvador da Bahia

Primaz do Brasil


Cúria Metropolitana Bom Pastor - Av. Leovigildo Filgueiras, 270 - Garcia, CEP: 40.100-000 - Salvador -Ba. Tel.: (71) 4009-6666 | contato@arquidiocesesalvador.org.br
Scroll To Top