Fraternidade e Amizade Social

Cardeal Dom Sergio da Rocha

Arcebispo de São Salvador da Bahia, Primaz do Brasil

 

A Campanha da Fraternidade teve o seu início, há 60 anos, na Igreja Católica, mas por suas finalidades e temas, tem contado com uma grande participação de instituições da sociedade civil, escolas, meios de comunicação, órgãos públicos e comunidades eclesiais. Pela natureza da própria fraternidade com a sua dimensão social, a Campanha vai muito além do âmbito da Igreja Católica. Os graves problemas sociais e os desafios pastorais constados no âmbito de cada tema exigem muito diálogo, convivência fraterna e ação conjunta.

A Campanha não se restringe ao âmbito das celebrações ou orações, nem mesmo do estudo ou reflexão, embora sejam sempre muito importantes. Ela deve ser concretizada através de iniciativas pessoais e comunitárias que promovam a fraternidade nas diversas situações e ambientes, contribuindo para a construção de uma sociedade alicerçada no amor, na justiça e na paz, segundo o querer de Deus. Cada Campanha quer ajudar a viver a fraternidade não somente na esfera pessoal, mas também nos âmbitos comunitário e social. Neste ano, o tema é “Fraternidade e Amizade Social”, inspirada na apreciada encíclica Fratelli Tutti (Todos Irmãos), do Papa Francisco, publicada em 03.10.2020. Podemos afirmar que se trata de uma Campanha sobre a própria fraternidade, na perspectiva de uma “fraternidade sem fronteiras” ou da “amizade social”, que o Papa Francisco enfatizou na encíclica “Fratelli Tutti”. A expressão “amizade social” é explicada pelo próprio Papa, conforme o Texto-Base (n. 16), podendo assim ser resumida: “o amor que ultrapassa as barreiras da geografia e do espaço”, “fraternidade aberta, que permite reconhecer, valorizar e amar todas as pessoas, independentemente de sua proximidade física”; “é um amor desejoso de abraçar a todos”; “é o amor que se estende para além das fronteiras”.

O lema que ilumina e orienta a reflexão e a ação é sempre um trecho da Bíblia. Neste ano, “Vós sois todos irmãos e irmãs”, conforme o Evangelho segundo Mateus (Mt. 23,8). O mundo de hoje, marcado por tantos conflitos, necessita de gente disposta a percorrer o caminho da fraternidade, da amizade e do respeito, para alcançar a paz. Embora a temática da Campanha seja vivida além da Quaresma, ela acontece, de modo especial, durante o período quaresmal. Uma das principais exigências da espiritualidade quaresmal é justamente o amor fraterno, com suas várias expressões. A Quaresma é vivida, hoje, de modo bastante diferente do passado, num novo contexto sociocultural. Contudo, em meio às mudanças culturais e religiosas, permanece o seu sentido maior enquanto tempo de preparação para a Páscoa por meio da oração, da penitência e da caridade. Deste modo, a Campanha da Fraternidade torna-se um meio privilegiado de vivência da Quaresma, através de gestos concretos de amor fraterno, de solidariedade e partilha.

 

*Artigo publicado no jornal Correio em 26 de fevereiro de 2024.