Acompanhamento espiritual na formação de discípulos missionários

Pe. Sergio Esteban González Martínez, CSS

O acompanhamento espiritual ajuda no processo de formação dos discípulos missionários, para amadurecer na conversão, no discipulado, na vida comunitária e na missão; tudo isso, fruto do encontro pessoal com Jesus Cristo. Cada etapa de formação colabora para a compreensão da dimensão existencial da missão. Quem é acompanhado espiritualmente pode encontrar o seu sentido no mundo e a doce fragrância de seguir Jesus Cristo: “eu sou uma missão nesta terra, e para isso estou neste mundo” (EG, 273).

Dentro de nosso contexto atual, encontramos muitas pessoas que tiveram um bom encontro pessoal, cristãos que, apaixonando-se pelo Mestre, decidiram seguir o caminho do discipulado. Mas, no momento de ser inseridos na comunidade eclesial, não tiveram o adequado acompanhamento no processo de inserção e na dinâmica do amadurecimento da fé. Como fruto da falta de acompanhamento, a paixão desaparece tornando o cristão ressentido e com “espírito de reclamação”, ou ainda mais, no pior dos casos, termina saindo da Igreja. Por isso, torna-se necessário refletir que “cada setor do Povo de Deus pede que a pessoa seja acompanhada e formada de acordo com a peculiar vocação e ministério para o qual tenha sido chamada” (DAp, 282).

O acompanhamento espiritual, por meio da escuta, forja no coração da pessoa a verdadeira compreensão das palavras e gestos de Jesus Cristo; auxilia na construção de uma vida de oração pessoal e comunitária; ajuda a semear a ideia que ser discípulo e discípula se realiza no caminho e na dinâmica do Espírito. Ele conduz cada vez mais no encontro com Deus e com o próximo e, acima de tudo, ampara na arte de desejar viver em comunidade, “vede: como é bom, como é agradável habitar todos juntos, como irmãos” (Sl 133,1).

Realizar a experiência de ser acompanhado espiritualmente realça a importância de deixar o outro entrar e mexer na vida. Essa relação – acompanhante e acompanhado – fortalece o exercício da “arte de escutar, que é mais do que ouvir” (EG, 171). Saber escutar é a qualidade dos discípulos missionários, é um modo de ser. Viver numa sociedade na qual importa mais saber falar que escutar, dificulta a dinâmica da escuta. Por este motivo, realizar um acompanhamento com alguém experiente na escuta de Deus é a maneira pela qual os seguidores de Jesus Cristo podem crescer e amadurecer no seu discipulado.

A finalidade de um acompanhamento é saber dar resposta ao chamado de Deus. Um claro exemplo o encontramos na vida de Samuel, na Sagrada Escritura. Samuel escuta a voz de Deus várias vezes e responde a ela em cada chamado. Mas, apesar de servir o Senhor e de estar no santuário, não consegue dar uma resposta adequada à voz de Deus. Só consegue discernir por meio da orientação de Eli: “vai deitar-te e, se te chamar de novo, dirás: ‘Fala, Senhor, pois o teu servo ouve’” (1Sm 3,9). O chamado de Deus sempre foi o mesmo, agora, a resposta de Samuel na última chamada, foi diferente. O acompanhamento de Eli orientou o jovem a saber responder a Deus e a descobrir sua missão como discípulo.

Saber a importância do acompanhamento espiritual e da sua influência na vida cotidiana, faz com que cada pessoa busque na sua paróquia alguém experiente na fé e no seguimento a Jesus Cristo. Deus sempre provê a seus filhos e filhas pessoas que possam ajudar no crescimento. Em cada comunidade paroquial podemos encontrar padres, diáconos, religiosos ou religiosas que são preparados para orientar pessoas. Ante a sua importância, torna-se necessário perguntar-nos: Estou buscando ser acompanhado espiritualmente? Quem pode ser meu acompanhante espiritual?

Referências bibliográficas

BÍBLIA. Bíblia de Jerusalém. 10. ed. São Paulo: Paulus, 2015.

CELAM. Documento de Aparecida. Texto conclusivo da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe. Brasília/São Paulo: Edições CNBB/Paulinas/Paulus, 2008.

PAPA FRANCISCO. Exortação Apostólica: Evangelii Gaudium – sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual. São Paulo: Paulus/Loyola, 2013.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp