Cardeal Dom Sergio da Rocha presidirá Missa na Catedral em homenagem ao Padroeiro de Salvador

O Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, Cardeal Dom Sergio da Rocha, presidirá uma Missa na Catedral Basílica de Salvador, na próxima segunda-feira (10), às 11h, em ação de graças pelos 335 anos de consagração da capital baiana a São Francisco Xavier. A Celebração Eucarística será concelebrada pelo pároco da Catedral, padre José Abel Pinheiro.

Em virtude da pandemia, este ano não haverá a tradicional procissão e os fiéis que desejarem participar da Missa devem entrar em contato, previamente, com a secretaria da Catedral, pelo telefone (71) 3321-4573. Neste dia, os vereadores da Câmara Municipal de Salvador renovam os votos de trabalho pela cidade. “São Francisco Xavier, este grande missionário de Jesus, já intercedeu pela cidade do Salvador em duas ocasiões de epidemia: em 1686, quando nosso povo sofreu com a febre amarela, e em 1855, quando livrou nossa população da cólera morbus. Neste ano, em que comemoramos 335 anos do seu patronato na cidade do Salvador, louvemos a São Francisco Xavier, pedindo sempre a sua poderosa intercessão junto a Deus”, afirma o coordenador da Devoção a São Francisco Xavier, padre Ângelo Magno Carmo Lopes.

São Francisco Xavier

A cidade, que tem o nome do Salvador, também é abençoada por todos os santos. De uma ponta a outra, é possível encontrar bairros, ruas e avenidas que ganharam nomes de homens e mulheres que alcançaram a santidade a partir dos seus testemunhos de vida. Também a capital baiana recebeu, por uma graça, um padroeiro: São Francisco Xavier. Sim, para quem não sabe, o padroeiro da cidade de Salvador é São Francisco Xavier!

No calendário litúrgico católico, a festa de São Francisco Xavier é celebrada no dia 3 de dezembro. Então, por que em Salvador essa festa ocorre no dia 10 de maio? Ainda nos tempos coloniais e do Brasil império, nossa cidade foi assolada, duas vezes, pela peste: uma em 1686 pela febre amarela e a outra, pela cólera morbus, em 1855. Como São Francisco Xavier morrera de peste, os jesuítas sugeriram à população implorar a intercessão do santo. O atendimento foi imediato. A peste cessou logo. Houve, então, um movimento popular que atingiu as autoridades locais (no tempo o chamado Senado da Câmara), e foi dirigido ao Papa de então, um pedido para que fosse declarado São Francisco Xavier padroeiro de Salvador. Em bula solene, datada de 10 de maio, foi São Francisco Xavier proclamado padroeiro, quer dizer, protetor especial da capital da Bahia.

Nessa época, o povo e as autoridades, em grande regozijo, com grandes manifestações públicas, se comprometeram a celebrar, a cada ano, no dia 10 de maio, esse valioso patrocínio do Santo Jesuíta, e realizar, à custa do erário da municipalidade, uma procissão e mais solenidades religiosas condizentes.

Vida de São Francisco Xavier

A Igreja, que na sua essência é missionária, teve, no século XV e XVI, um grande impulso do Espírito Santo para evangelizar a América e o Oriente. No Oriente, São Francisco Xavier destacou-se com uma santidade que o levou à ousadia de fundar várias missões, a ponto de ser conhecido como “São Paulo do Oriente”. Francisco nasceu no castelo de Xavier, na Espanha, a 7 de abril de 1506, sofreu com a guerra, onde aprendeu a nobreza e a valentia. Aos 18 anos, foi para Paris estudar, tornando-se doutor e professor.

Vaidoso e ambicioso, buscava a glória de si até conhecer Inácio de Loyola, com quem fez amizade, e que sempre repetia ao novo amigo: “Francisco, que adianta o homem ganhar o mundo inteiro se perder a sua alma?”. Com o passar do tempo e a intercessão de Inácio, o coração de Francisco foi cedendo ao amor de Jesus, até que entrou no verdadeiro processo de conversão. O resultado se vê no fato de ter se tornado cofundador da Companhia de Jesus.

Já como padre, e empenhado no caminho da santidade, São Francisco Xavier foi designado por Inácio a ir em missão para o Oriente. Na Índia, fez frutuoso trabalho de evangelização, que abrangeu todas as classes e idades; ao avançar para o Japão, submeteu-se a aprender a língua e os seus costumes, a fim de anunciar o Cristo encarnado. Para continuar anunciando o Reino de Deus, pôs-se a caminho da China, mas, em uma ilha frente a sua nova missão, veio a falecer por causa da forte febre e do cansaço.

Esse grande santo missionário, que entrou no Céu com 46 anos, percorreu grandes distâncias para anunciar o Evangelho, tanto assim que, se colocássemos em uma linha suas viagens, daríamos três vezes a volta na Terra. São Francisco Xavier, com dez anos de apostolado, tornou-se, merecidamente, o Patrono Universal das Missões, ao lado de Santa Teresinha do Menino Jesus.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp