Entrevista: padre Rosalvo Marcelino fala sobre como manter a vida de oração nas férias

Matriz da Paróquia Santíssimo Sacramento, em Itaparica – Foto: divulgação

Manter um tempo disponível para Deus durante as férias é fundamental na vida do cristão. Estar de férias do trabalho, faculdade ou escola não significa se descuidar das atividades da paróquia ou dos momentos pessoais de oração: pelo contrário, este tempo de descanso pode ser ideal para fortalecer, ainda mais, o relacionamento com Deus.

Pensando nisso, o Setor de Comunicação da Arquidiocese de São Salvador da Bahia entrevistou um dos sacerdotes que é responsável por uma das paróquias da Ilha, local muito procurado neste período. Padre Rosalvo Marcelino Humildes é pároco da Paróquia Santíssimo Sacramento, em Itaparica. Confira esse bate-papo:

Setor de Comunicação – Sabemos que janeiro é o mês do descanso e que muitas paróquias diminuem a quantidade de atividades neste período. Então, como o católico pode bem viver o tempo de férias sem deixar o ritmo de oração?

Padre Rosalvo – Visando perfeitamente esta realidade na Arquidiocese de Salvador, as paróquias na Ilha de Itaparica possuem uma dinâmica diferente. Primeiro que os próprios sacerdotes não tiram férias neste período, pois Salvador, vamos dizer assim, diminui a sua população porque muitas pessoas viajam para o interior e para o litoral e Itaparica, como uma região litorânea que tem muitas praias e que é um refúgio para muitas pessoas de Salvador, aumenta o número da população e, consequentemente, o número de católicos. Logo, a nossa comunidade paroquial se mantém com horários flexíveis para o período das férias, mantém um esquema especial de atividades para atender não só os paroquianos, mas também os veranistas. Além disso, o católico, para poder viver bem o tempo de férias sem deixar o ritmo de oração, precisa dessa sensibilidade das paróquias de perceber as demandas que surgem neste período e adaptar horários e dias para que possam também atender aos fiéis.

Setor de Comunicação – Como os fiéis podem manter o vínculo com a comunidade paroquial neste período de descanso?

Padre Rosalvo – Este período de descanso não pode ser interpretado como um período de férias completas, inclusive férias de Deus. Nós não podemos tirar férias de Deus! Mas nesse período de descanso, o que nós fazemos? Diminuímos, obviamente, as questões das reuniões que desenvolvemos ao longo do ano, as reuniões de pastorais, por exemplo, e focamos mais nas questões celebrativas. Isso faz com que o próprio fiel, que também tem a oportunidade de trabalhar neste período de férias, pois muitos são comerciantes, e nesse período do verão aumenta o fluxo de clientes, eles possam viver a sua fé sem ter prejuízo da sua vida pastoral. Então, aqui na Ilha, em dezembro e em janeiro nós diminuímos as reuniões, mas as celebrações são mantidas em um horário que é oportuno tanto para quem é paroquiano, que trabalha neste período das férias, quanto para os veranistas.

Setor de Comunicação – Para aqueles que irão viajar, sobretudo para locais com praias, de que maneira é possível manter a vivência da fé?

Padre Rosalvo – As nossas paróquias divulgam os horários de celebrações, de fácil acesso. Em Itaparica, por exemplo, divulgamos em hotéis e em pousadas, para que todas aquelas pessoas que desejam participar de uma missa dominical, uma adoração ao Santíssimo Sacramento possam ter esse conhecimento e viver conosco esse período de descanso.

Setor de Comunicação – Embora as atividades paroquiais estejam “mais reduzidas” no mês de janeiro, como o cristão pode aproveitar as férias para servir mais à Igreja?

Padre Rosalvo – Pode servir mais através da oração diária, do cotidiano, através do santo texto, em algum momento em casa, descansando pode também assistir a Santa Missa na televisão, se a pessoa não tiver possibilidade, obviamente, de participar de uma Santa Missa presencialmente, caso o local onde ela está não tenha Missa ou Celebração da Palavra. O importante é nunca deixar a fé de lado. Eu costumo dizer o seguinte: a praia, o verão, o calor, a alegria são obras do Senhor. Então, porque no momento onde nós estamos usufruindo dessa melhor forma, nós podemos esquecer de Deus? De forma nenhuma. Então, eu acredito que nessas atividades mais reduzidas, eu posso dizer assim, na dimensão de reunião, mas as nossas orações, elas estão… Estamos reunidos, né, nesse sentido de diminuído a questão da reunião, mas nas celebrações, estamos reunidos, firmes e fortes.

Setor de Comunicação – O senhor, como um padre que desenvolve a missão pastoral em um território bastante procurado neste período, poderia deixar uma mensagem para os fiéis que desejam aproveitar este tempo de descanso, mas que também anseiam em manter viva a chama da fé?

Padre Rosalvo – A Paróquia Santíssimo Sacramento, junto com as demais paróquias da nossa região, estão com as portas abertas. Em nenhum momento diminuímos as atividades, pelo contrário, mantemos os horários ainda mais flexíveis para que todos os fiéis participem com dignidade da Celebração Eucarística. Conhecemos perfeitamente a realidade pastoral, onde muitos viajam para descansar, mas que sempre batem na porta da secretaria procurando um horário da celebração, recebem as informações pelas redes sociais das paróquias, nos hotéis e nas pousadas, e tentamos atender da melhor forma possível. Reunião realmente é difícil de acontecer, pois os nossos paroquianos também, muitos deles trabalham nesse período de férias. Férias para uns, mas para eles trabalhos. Mas a Celebração Eucarística está sempre em programação normal, para que todos possam celebrar, viver a fé da melhor forma possível. Na nossa realidade pastoral aqui na ilha de Itaparica, por exemplo, muitas festas de padroeiros ocorrem tradicionalmente neste período de janeiro. Por quê? Porque antigamente, quando o veraneio era mais forte aqui, para os veranistas participarem das festas, muitas festas de padroeiros aconteciam em janeiro. Então, ainda hoje, mesmo tendo essa facilidade de transporte, a gente pode ir para um local ou outro, diferente da época em que o sistema marítimo era mais escasso, quando não tinha ferry boat. Assim, ainda hoje, tradicionalmente, muitas festas das nossas paróquias ocorrem em janeiro. Só aqui em Itaparica, por exemplo, eu posso citar algumas: Nossa Senhora do Amparo, Santo Antônio dos Navegantes, Senhor do Bonfim e duas festas que começam no período de dezembro e janeiro relacionadas à Nossa Senhora das Candeias. Só aí temos cinco festas, sem contar, aqui em Itaparica, por exemplo, a Independência de Itaparica e tem o TEDEUM que ocorre logo no início do ano, dia 7 de janeiro. Então, aí são seis festejos religiosos, nos quais os veranistas e os fiéis participam juntos e, assim, promovem uma pastoral no período de janeiro, aumentando a fé, fortalecendo a alegria pela cidade e, especialmente, por Nosso Senhor Jesus Cristo, Aquele que nos conduz sempre para a missão.