HOMILIA – MISSA DE N. SRA. DA CONCEIÇÃO DA PRAIA

Salvador, 08.12.20

Nesta solene celebração da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, nós voltamos nosso olhar e nosso coração para a Mãe do Salvador, Nosso Senhor Jesus Cristo, devotamente venerada nesta Basílica Santuário com o título de Nossa Senhora da Conceição da Praia, recorrendo à sua poderosa intercessão materna e procurando seguir seus exemplos. Além da importância desta grande festa mariana no calendário litúrgico universal, como bem sabemos, ela se reveste de especial importância para nós que temos a graça de ter Nossa Senhora da Conceição da Praia como excelsa padroeira da Bahia, oficialmente declarada pelo Papa São Paulo VI, em 1971.

Diante da belíssima imagem de Nossa Senhora da Conceição da Praia, venerada nesta Basílica Santuário, há tanto tempo, inúmeras pessoas tem vindo entoar louvores e suplicar graças abundantes, recorrendo confiantes à intercessão desta querida Mãe celestial. Quando estava na cruz, Jesus entregou o discípulo amado aos cuidados de sua Mãe, dizendo-lhe: “Eis aí teu filho”. Ao mesmo tempo, Jesus entregou sua Mãe ao discípulo amado, dizendo-lhe “Eis aí tua mãe”, para que ele pudesse levá-la consigo para casa e dela cuidar, como um filho que ama a mãe. Certamente, foi ela quem cuidou do discípulo amado, mais do que ele possa ter feito por ela. É a nós, hoje, que Jesus dirige aquelas mesmas palavras, pois cada um de nós é discípulo amado do Senhor. Neste tempo de pandemia, nós temos subido o calvário, com Maria, para estamos com Jesus sofredor. Assim o fazemos, acompanhando a tantos irmãos e irmãs que estão unidos à paixão de Cristo, pelos seus sofrimentos. Eles necessitam de nossa presença fraterna, de nossas orações e de nossa solidariedade. Neste tempo de provação, nós levantamos o olhar confiante para a Senhora da Conceição Imaculada, suplicando-lhe para rogar a Jesus por nós e pelos que mais sofrem, para que possamos ter a força espiritual, a esperança e a paz. Pelos méritos e pela intercessão de nossa Padroeira, nós conservamos a firme esperança de vencer as tribulações.

Entretanto, lembremo-nos das palavras de Maria nas bodas de Caná da Galileia, numa hora de aflição: “Façam tudo o que Ele disser”, disse ela aos que estavam servindo. Para superarmos tantos desafios, nós precisamos permanecer unidos a Jesus e fazer o que ele nos ensina. Jesus nos ensinou a amar o próximo, especialmente os irmãos mais sofredores. Quem escuta aquelas palavras de Nossa Senhora e procura fazer o que Jesus diz, procura amar o próximo com gestos concretos, através da oração, da partilha e da solidariedade. Por isso, durante esta pandemia, nesta festa da Padroeira da Bahia, as mãos levantadas em oração devem também ser mãos estendidas para os irmãos que mais sofrem com a enfermidade e a pobreza.

Devemos olhar para Maria e aprender com ela a cumprir a vontade de Deus e a por em prática a sua palavra, em qualquer situação da vida, seja diante do anúncio alegre do nascimento do Salvador, seja perante a cruz dolorosa. “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se se em mim segundo a tua palavra” deve ser também a nossa resposta a Deus, lembrando que Maria se fez serva do Senhor na Anunciação, mas também se fez serva do Senhor no serviço prestado à Isabel e nas bodas de Caná.

Irmãos e irmãs, quem ouve as palavras de Nossa Senhora pedindo-nos para fazer o que Jesus nos diz, procura viver o mandamento do amor, cuidando da própria vida e saúde, mas também da vida e saúde do próximo, seja das pessoas que já amamos, seja daquelas que somos chamados a amar como irmãos em Cristo. Por isso, não podemos nos cansar, nem desanimar, de observar as medidas de saúde pública necessárias para superar a pandemia, que infelizmente continua a causar muito sofrimento e morte.

“Eis aí tua mãe”, está nos dizendo Jesus. Nós repetimos o gesto do discípulo amado, que agradecido leva Maria consigo, para sua casa, como mãe e protetora. Ela nos traz esperança, ela é a Mãe da esperança, conforme temos recordado durante a novena, porque é a Mãe daquele que é a razão de nossa esperança. Quem crê em Jesus, quem leva sua mãe consigo, não desanima, não se desespera. Caminha sempre, com esperança e paz, na certeza de alcançar a vitória com Cristo Ressuscitado, vitória da qual Nossa Senhora participa plenamente no céu.

A Palavra de Deus desta solenidade anuncia a vitória sobre o pecado, o mal e o demônio, conforme a imagem da cabeça da serpente esmagada pela mulher, segundo o livro do Gênesis (Gn 3,15)0.  A mensagem da anunciação do anjo a Maria é também de esperança e de paz. O anjo lhe disse: “Não temas, porque encontraste graça diante de Deus”. Não temas porque “o Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra”. Quem se dispõe a cumprir a palavra de Deus não deve temer, mas confiar e permanecer fiel, na certeza de contar com a sua presença amorosa e com a força do seu Espírito.

Nesta Eucaristia, a Igreja nos convida ao louvor e a alegria, conforme rezamos no Salmo 97: “cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios”; “aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos e exultai”. A razão maior deste louvor e alegria encontra-se no Evangelho proclamado: a anunciação do nascimento de Jesus Cristo a Maria e o seu “sim” diante de Deus, que lhe confiou a missão de ser a mãe do Messias esperado. Maria é a Imaculada, desde a sua concepção, pela graça de Deus, em vista de seu filho Jesus. Na anunciação, o anjo Gabriel a ela se dirige, chamando-a de “cheia de graça”, isto é, toda pura, sem mácula, plena do amor de Deus. “Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo” é a saudação angélica imortalizada na singela oração da Ave-Maria.  Na Carta aos Efésios, São Paulo anuncia que Deus nos chamou “antes da fundação do mundo, para que sejamos santos e irrepreensíveis sob o seu olhar, no amor” (Ef 1,4). Maria é a plena realização dessa santidade. Possamos dizer “sim” a este chamado à santidade, contando com a intercessão e o exemplo da Senhora da Imaculada Conceição.

Quem celebra a Imaculada Conceição deve procurar ter uma vida santa, um coração sem mácula. Não podemos permitir que o pecado, seja qual for, se instale no coração. Somos chamados a ser “santos”, imitando a Maria Imaculada. O tempo da pandemia tem exigido, com razão, especial cuidado com a saúde do nosso organismo, porém não podemos descuidar da saúde espiritual. Neste tempo difícil, em que necessitamos de força, de esperança e de paz, é preciso estar espiritualmente forte, através da oração, da meditação da Palavra de Deus, da participação na missa, do santo rosário de Nossa Senhora, dentre outros exercícios espirituais. Com Maria, seguindo a Jesus Cristo, iremos superar a pandemia! Tenha esperança e paz em seu coração!

Louvado seja N.S.J.C.

Cardeal Dom Sergio da Rocha

 Arcebispo de São Salvador da Bahia – Primaz do Brasil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Assine nossa News

Seja o primeiro a receber nossas novidades!

Contatos

© Copyright Arquidiocese de São Salvador Bahia. Feito com por
© Copyright Arquidiocese de São Salvador Bahia. Feito com por