Saúde mental do presbítero é tema de simpósio que acontece, até dia 15 de setembro, na Arquidiocese de Salvador

A formação segue até o dia 15 de setembro – Foto: Sara Gomes

“Desafios hodiernos para a identidade e saúde mental do presbítero”, este é o tema central do Simpósio de Formação Permanente promovido pela Pastoral Presbiteral para os sacerdotes e os diáconos transitórios da Arquidiocese de São Salvador da Bahia. A atividade teve início nesta quarta-feira (13) e seguirá até a próxima-sexta-feira (15), no Centro Arquidiocesano de Pastoral, da Cúria Metropolitana de Salvador. Para conferir fotos, clique aqui.

De acordo com o bispo auxiliar, Dom Dorival Barreto, a formação permanente é uma oportunidade de cuidado e de conhecimento de si para poder colocar a vida sempre e cada vez mais à serviço de Deus e dos irmãos. “Nós estamos participando deste momento de formação permanente para o presbitério da nossa Arquidiocese. Esse simpósio é de fundamental importância para a vida dos nossos padres, que estão inseridos nas comunidades, e cada um deles, portanto, precisa estar muito bem preparado, precisa cuidar da sua saúde física, da sua saúde mental e da sua saúde espiritual. Então, participar de um momento de formação permanente, certamente ajuda a cada um, ao sacerdote e ao próprio bispo, a poder compreender a sua identidade para poder desempenhar bem a missão neste mundo tão cheio de desafios”, afirmou.

Para o padre José Carlos Ferreira, pároco da Paróquia Santíssima Virgem Maria de Nazaré e assistente eclesiástico da Pastoral Arquidiocesana de Catequese, o tema abordado reforça a necessidade de o cuidador também se cuidar para poder estar, cada vez mais, à serviço dos outros. “Sabemos perfeitamente que a nossa vida muito agitada, com excesso de atividades, leva muitos sacerdotes ao chamado desgaste mental e psicológico, e isso acarreta um pouco a sua própria vida. Então, o tema desse simpósio é importante para nós, pois no dia a dia nós lidamos com os sofrimentos, as vidas e os problemas psicológicos das pessoas, e isso, consequentemente, pode afetar também a nossa vida. O que nós estamos colhendo aqui são ferramentas para que possamos trabalhar no dia a dia, cuidando do outro, mas também cuidando de si mesmo. E isso é importante: o cuidador cuidando de si para ter elementos suficientes para cuidar das outras pessoas”, disse.

Também participando da formação, o diácono transitório, Caio Silva, destaca que a iniciativa também promove uma reflexão acerca do chamado feito a cada sacerdote pelo próprio Deus. “A formação permanente nos ajuda a fazer uma reflexão sobre o ministério que estamos vivendo, principalmente neste Ano Vocacional, no qual olhamos para a vocação a que fomos chamados uma manutenção daquilo que estamos trilhando para servir melhor, já que o dom da vocação do ministério diaconal e do sacerdócio é o serviço, e o serviço é dom de Deus. Por isso que a formação permanente nos ajuda a nos mantermos mais integrados para servir melhor àqueles que o Senhor nos chamou”, afirmou.