Te Deum da Independência

Cardeal Dom Sergio da Rocha

Arcebispo de São Salvador da Bahia, Primaz do Brasil

As comemorações da independência do Brasil na Bahia, conhecida como Dois de julho têm especial importância para a Bahia. A independência da Bahia ou a independência do Brasil na Bahia é um capítulo da história do Brasil que necessita ser mais conhecido, valorizado e divulgado em todo o país. É justo valorizar o 7 de setembro, o Grito da Independência, mas seria injusto não valorizar o clamor e as lutas pela independência na Bahia antes e após o 7 de setembro de 1822.  Há 200 anos, no dia 02 de julho de 1823, a independência do Brasil se consolidava  na Bahia, com a expulsão das tropas portuguesas em Salvador, coroando um período de lutas heróicas no recôncavo baiano, iniciadas em fevereiro de 1822.

Dois de julho é uma festa do povo, com o desfile anual trazendo as figuras do Caboclo e da Cabocla, sinalizando a independência conquistada pela atuação destemida de índios e mestiços; de mulheres negras, como Maria Felipa, em Itaparica; de Maria Quitéria e brasileiros engajados nas batalhas; pela resistência corajosa de defensores da liberdade, como Sóror Joana Angélica, assassinada às portas do Convento da Lapa.

A independência da Bahia é motivo de admiração e de reconhecimento que se expressa também no âmbito religioso, através do Te Deum, solenemente celebrado em Salvador e em Cachoeira. O Te Deum é um antigo hino de louvor a Deus, conservado em latim; por isso, é conhecido pelas suas primeiras palavras, Te Deum laudamos, isto é,  “Louvamos-te ó Deus”.  A expressão Te Deum designa o hino e a inteira celebração festiva; é louvor, exultação e alegria. O Te Deum da independência da Bahia é patrimônio histórico, religioso e artístico de rara beleza. Em Cachoeira, faz memória da decisão da Câmara Municipal, de 25 de junho de 1822, separando-se de Portugal ao reconhecer D. Pedro I como príncipe regente, suscitando a adesão das vilas do recôncavo baiano.

Inserido na comemoração cívica, o Te Deum conserva seu caráter essencialmente religioso. Neste ano, a celebração ocorre novamente na belíssima Catedral Basílica de Salvador. É uma ocasião de rara beleza religiosa e artística para os que creem e para todos os apreciadores da cultura e da arte. Para favorecer a participação e permitir o sereno desenrolar da celebração, o Te Deum da Independência tem acontecido, em Salvador, na manhã do dia 01 de julho.

Entretanto, no final desse belo hino de louvor, há um pedido de perdão e o reconhecimento da misericórdia divina: “Tende piedade de nós, Senhor. Desça sobre nós a tua misericórdia”. Há muito para ser feito a fim de assegurar a liberdade e a autonomia para o nosso povo, perante tantos desafios de cunho político e econômico. A Deus louvemos pelo passado heróico, olhando para o futuro com esperança e assumindo o compromisso de contribuir para a construção da justiça e da paz no hoje de nossa história.