Tudo na Caridade

Dom Sergio da Rocha

                                                    Cardeal Arcebispo de São Salvador da Bahia

“Tudo o que vocês fizerem, façam na caridade”. Nestas palavras de São Paulo à Comunidade de Corinto (1Cor 16,14), encontra-se o lema escolhido por ocasião da nomeação para o episcopado que tive a graça de receber do Papa São João Paulo II: “Tudo na Caridade”, traduzindo o latim “Omnia in Caritate”.

Chego à querida Arquidiocese de São Salvador da Bahia, minha nova família, na qual sinto-me carinhosamente acolhido, trazendo no coração o desejo sincero de viver em tudo a caridade. Nesta expressão, resume-se um programa de vida, de ação pessoal e eclesial, a ser traduzido em gestos pessoais e espontâneos, bem como, em iniciativas pastorais de índole comunitária. A humanidade sempre necessitou do amor expresso pela palavra latina “caritas”, a caridade de Cristo, a caridade a ser vivida pelos cristãos e pelos homens e mulheres de boa vontade das várias confissões religiosas. O ecumenismo e o diálogo inter-religioso devem ocorrer, de modo especial, no campo da caridade, com as suas implicações nos âmbitos da justiça, da reconciliação e da paz, através do serviço e da solidariedade. Num mundo marcado por tantas situações de sofrimento, somos chamados a viver, ainda mais, o amor ao próximo, a caridade para com os pobres, os doentes e os fragilizados. Diante de tantas situações de agressividade e violência, somos chamados a promover a reconciliação e a paz, a testemunhar que o amor é mais forte do que o ódio e a violência, capaz de gerar vida nova.

O amor de Deus permanecerá sempre a fonte, o sustento e o critério decisivo para o amor a ser vivido por nós, nos relacionamentos pessoais, nas famílias, comunidades e na sociedade. Somos chamados a amar como Deus ama. O seu amor é marcado pela gratuidade, isto é, por amar antes de ser amado, amar mais do que ser amado, por amar primeiro, de graça. O modelo da retribuição ou da recompensa, do amar somente os que nos amam e de fazer o bem somente para quem nos faz o bem, não serve para expressar o amor a ser vivido pelos que creem em Deus. O querido Papa Francisco expressou esta atitude recorrendo a um verbo novo, “primeirar”, isto é, ser o primeiro na vivência do amor, amar e servir por primeiro, de graça, sem esperar recompensa.

Em tudo seja vivido este amor, em Salvador e por toda a parte. A Arquidiocese primacial, Ecclesia Mater, seja conhecida pela primazia do amor, da caridade, da misericórdia, da reconciliação e da paz. Na rica e bela história de Salvador não faltam testemunhos de vivência da caridade. Dentre eles, brilha Santa Dulce dos Pobres, que nos motiva a amar e a servir a todos, especialmente os pobres, os doentes e os fragilizados. O Senhor do Bonfim nos guie e nos anime sempre a fazer “tudo na caridade”!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp