Arquidiocese Destaque

Homenagem à futura santa: Oratório Irmã Dulce pode ser visitado na ALBA

O Oratório foi montado na praça interna da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) – Foto: arquivo ALBA

Na contagem regressiva para a canonização de Irmã Dulce, a Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), localizada no Centro Administrativo (CAB), montou o Oratório Irmã Dulce. O objetivo, além de homenagear a futura santa, é ajudar na captação de recursos para a construção da sala de ressonância magnética do Hospital Santo Antônio, mantido pelas as Obras Sociais Irmã Dulce (OSID). Por isso, o oratório é chamado de “Cantinho do Tijolo”.

O espaço de devoção, caridade, amor e fé foi estruturado em maio com o prazo de retirada em 30 dias, mas o local se tornou um ambiente de fortes orações pelos funcionários da ALBA e pelo público que por ali passa. O Cantinho do Tijolo não é apenas um lugar para a campanha, é semelhante a um memorial, já que carrega imagens dos momentos marcantes da vida de Irmã Dulce, poltronas com livros e bibliografias do Anjo Bom da Bahia, além de almofadas para que pedidos e orações sejam feitos com conforto.

“Ele [o Cantinho do Tijolo] é autoexplicativo. A pessoa entra, contribui com a importância de R$ 10 na urna, recebe o tijolinho como mimo, faz a oração e ao sair ganha uma fitinha de Irmã Dulce que pode ser amarrada no cercado de madeira que foi colocado para os pedidos”, explica a presidente da Assembleia de Carinho, Marlane Leal.

No local, os funcionários da ALBA louvam e agradecem a Deus pela canonização de Irmã Dulce, que acontecerá no dia 20 de outubro – Foto: arquivo ALBA

Além do oratório, os devotos também são convidados a participar da Oração do Terço que acontece todas as quartas-feiras, das 12h às 13h, onde os fiéis se reúnem para oração e, também, ensaiam as músicas de Irmã Dulce para a celebração da pós-canonização que acontecerá no dia 20 de outubro, na Arena Fonte Nova.

Romeria Maria, 43, uma das devotas que propôs para os servidores e visitantes a Oração do Terço, destaca a importância de estar em comunhão no momento de oração nas quartas-feiras. “É um momento de devoção e oração à futura Santa Dulce dos Pobres, que intercede junto a Jesus Cristo através do Terço Mariano, por todas as intenções e agradecimentos dos nossos corações”, afirma.

Já para a devota Marlene Rosa, 66, a força maior de estar presente em todas as quartas-feiras é a fé. “Que nós tenhamos sempre a oportunidade de nos reunir através da fé, confraternizar e homenagear a primeira santa brasileira da nossa época, Irmã Dulce”, diz.

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário